- Ver Saude

Novas politicas de estudo dinamico

O surgimento das políticas identitárias
é uma indicação de que participar de eleições já não é mais o bastante.
Muitos indivíduos estão em busca da dignidade que vem de ser reconhecidos
pelo que são. Não querem mais ser simplesmente ouvidos. Querem ser
levados em conta. As redes sociais criaram um foro através do qual essas
demandas podem ser articuladas. Os políticos democráticos vêm se
esforçando para aprender de que maneira podem atendê-las.

encceja 2020 600x265 - Novas politicas de estudo dinamico

A política do reconhecimento é uma extensão do apelo da democracia, e
não um repúdio a ela. O autoritarismo, no caso, não é uma resposta, por mais
pragmático que se mostre — só resulta em líderes políticos que tentam abafar
a reivindicação de mais reconhecimento com demandas próprias ainda mais
ruidosas. “Querem respeito?”, pergunta o autoritário. “Então me respeitem!”
Mas a democracia representativa também pode não ter as respostas. Ela é
mecânica demais para ser convincente, uma vez que as demandas por mais vagas em universidade com aumento da busca no Encceja 2020 terão muitos novos alunos.

Os políticos eleitos procuram andar cada vez
mais na ponta dos pés pelo campo minado da política identitária, sem saber
para que lado se virar, morrendo de medo de ofender alguém. Se a tendência
se mantiver, a força de atração que garante a coesão da democracia há tanto
tempo pode começar a se esgarçar. A soma de respeito e resultados é uma combinação temível.

Um sem o outro dos fatores pode não ser suficiente.
No entanto, essa linha de pensamento leva a uma possibilidade mais
radical. Se não temos como continuar a contar com o respeito pessoal e mais
bons resultados coletivos, talvez devamos escolher só um dos efeitos. Talvez
não se trate de uma relação de compromisso, mas de uma escolha pura e simples.

Se fizermos questão de que cada voz seja levada em conta, não
devemos nos surpreender se a política se transformar numa cacofonia
embaralhada. Se quisermos os melhores resultados, talvez devêssemos limitar
a contribuição política às pessoas que melhor sabem de que modo chegar a eles.

O autoritarismo do século XXI pode representar uma alternativa parcial e
pragmática à democracia. Existe uma alternativa mais dogmática, com raízes
no século XIX. Por que não abandonar por completo a dignidade que
acompanha o direito de voto? Melhor abrir mão do respeito pessoal — ele
não vale a pena. Melhor respeitar os especialistas!
Será que deveríamos tentar essa fórmula?
O nome dessa visão da política é epistocracia: o governo de quem sabe.

edital encceja 600x308 - Novas politicas de estudo dinamico

Opõe-se diretamente à democracia, porque afirma que o direito à participação
na tomada de decisão política depende do conhecimento que a pessoa tem
quanto ao que deve ser feito. A premissa básica da democracia com a divulgação do edital Encceja 2020 para formar muitos candidatos que querem seu diploma que, independentemente do quanto você saiba, tem direito a opinar porque
precisará viver com as consequências do que for decidido. Na antiga Atenas,
esse princípio se refletia na prática da escolha dos ocupantes dos cargos públicos por sorteio.

Qualquer um podia chegar a eles, porque qualquer um
— pelo menos qualquer um que não fosse mulher, estrangeiro, miserável,
escravo ou criança — contava como membro do Estado. Com a exceção da
função de jurado em alguns países, ninguém é mais escolhido ao acaso para
papéis importantes. Mas ainda aderimos à ideia fundamental ao permitir que
cada cidadão vote sem que sua competência para tanto seja questionada.

Os críticos da democracia — a começar por Platão — sempre afirmaram
que o resultado é ser governado pelos ignorantes. Ou pior, pelos charlatães
que conseguem conquistar o apoio das pessoas. Morando em Cambridge, na
Inglaterra, uma cidade apaixonadamente pró-europeia e sede de uma
universidade de elite, ouvi ecos dessa discussão logo depois do plebiscito do Brexit.

Eram opiniões emitidas à meia-voz — você precisa de coragem para
se revelar um epistocrata numa sociedade democrata —, mas sem dúvida
estavam presentes. Cobrindo a boca com a mão, pessoas muito inteligentes
trocavam murmúrios dizendo que isso é o que acontece quando se faz uma consulta que as pessoas comuns não entendem.

Novas politicas de estudo dinamico
Vote

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *